Obrigado por tudo, Crispim... descansa em paz!

Chegado de mais de 500 km de viagem, estou com a sensação de missão cumprida.

Foi um dia com emoções fortes, pesadas e de grande angústia.

Mas foi uma despedida digna de alguém que mereceu tudo quanto foi dito.

O dia de hoje foi a prova de que foste uma pessoa muito especial em toda a tua vida, para muitos.


Agora, que habitas a tua última morada, espero que, enquanto Deus me permitir viver, te continue a fazer sentir orgulho em mim e na minha família, pois sei que as nossas vitórias sempre foram sentidas por ti como se vitórias dos teus filhos se tratassem.

Deixaste uma família linda e pronta a enfrentar uma nova etapa, consciente de tudo ter feito para que, enquanto Deus quis, tivesses uma vida cheia de dignidade.
Orgulho-me de estar incluído nessa família e peço a Nossa Senhora que te acompanhe sempre para que, onde estiveres, nos possas dar a mão sempre que de ti precisarmos.

Não vamos mudar nada. Vamos continuar com os mesmos princípios, a mesma vontade de viver, a mesma vontade de ganhar, de conquistar novos mundos. A tua passagem terrena foi um grande ensinamento, que só os grandes Homens são capazes de dar.

Se quando recebi a notícia do teu falecimento fiquei sem palavras, hoje falei contigo e sei que me ouviste, porque sempre o fizeste com imensa atenção e prazer.

Sim, eu chorei, mas chorei um choro misturado de tristeza, dor e amargura, mas também de tranquilidade, por perceber que não vais sofrer mais dessa "coisa" que acabou por te fragilizar e te fez, dia após dia, perder as forças. No entanto, nunca mostrastes vontade de desistir e isso, padrinho, é que faz toda a diferença.

Guardo de ti o melhor, por isso estarás sempre no meu pensamento, porque és único e mereces que te recordemos com ternura e carinho.

Obrigado por tudo, Crispim... descansa em paz!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Por opção pessoal, o exercício da liberdade de expressão é total nas caixas de comentários abertas ao público, disponibilizadas no meu blogue, estando apenas vedadas, e a partir desta data, aos anónimos, pois como se trata de um blogue pessoal entendo que não faz sentido que não se saiba quem gosta ou não das minhas publicações.

2013.02.07