A Lei e a Justiça servem para defender a dignidade, que não se negoceia

Quando não defendemos os nossos direitos, perdemos a dignidade e a dignidade não se negoceia.

Alguns dos meus amigos e colegas de curso, recordam-se, certamente, desta pequena mas inquietante história. 

Para quem não a conhece, lanço o desafio de a ler e no fim, penso eu, ficará esclarecido sobre para que servem a Lei e a Justiça.

Imaginem-se numa sala, prontos para o primeiro dia de aulas.

O professor de "Introdução ao Direito" entra na sala e a primeira coisa que faz é perguntar o nome a um aluno que estava sentado na primeira fila:
- Como se chama?
- Chamo-me Nelson, senhor doutor.
- Saia imediatamente da minha aula e não volte! - gritou, de forma desagradável, o professor.

Nelson ficou desconcertado. Quando voltou a si, levantou-se, agarrou nas suas coisas e saiu da sala. Os restantes alunos ficaram,  naturalmente, surpreendidos e assustados, além de indignados, mas ninguém ousou dizer nada.

- Ora bem, agora estamos em condições de começar. Para que servem as leis? Perguntou o professor.

Os alunos, ainda meio assustados, esperavam que alguém ganhasse coragem para responder. Depois de algum silêncio e de observar um olhar pouco amigável do professor, pouco a pouco, começaram a responder à sua pergunta:
- Aluno: Para que haja uma ordem em nossa sociedade.
- Professor: Não!
- Aluno: Para cumpri-las.
- Professor: Não!
- Aluno: Para que as pessoas erradas paguem por seus atos.
- Professor: Não! Será que ninguém sabe responder a esta pergunta?!
- Aluno: Para que haja justiça - falou timidamente uma garota.
- Professor: Até que enfim! É isso, para que haja justiça. E agora, digam-me para que serve a justiça?

Os alunos que, momentaneamente, se sentiram aliviados, voltaram a ficar incomodados pela atitude do professor, mas lá foram respondendo:
- Aluno: Para salvaguardar os direitos humanos...
- Professor: Sim... e que mais?
- Aluno: - Para distinguir o certo do errado e para premiar quem faz o bem...
- Professor: Não está mal. No entanto, respondam a esta pergunta: "Agi corretamente ao expulsar o Nelson da sala de aulas?"

Desta vez, ficaram todos calados, ninguém respondeu.

Volta o professor a falar, reforçando que queria uma resposta decidida e unânime!

Foi então que a uma só voz os alunos responderam: NÃO!

Nessa altura o professor pergunta: Então pode dizer-se que cometi uma injustiça?
De novo, e a uma só voz, os alunos responderam: SIM!

Então, se acham que agi incorretamente e fui injusto, por que é que ninguém fez nada a respeito da minha atitude? 

Afinal para que queremos leis e regras se não dispomos da vontade necessária para as por em prática? 

Cada um de nós tem a obrigação de reclamar quando presenciar uma injustiça. Não voltem a ficar calados, nunca mais! 

O "professor" disse: Vou buscar o Nelson, porque, na verdade, ele é que é o professor, eu sou aluno de outro ano.

Conclusão, já sabendo para que servem a Lei e a Justiça, devemos ter em conta que quando não defendemos os nossos direitos, perdemos a dignidade e a dignidade não se negoceia.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Por opção pessoal, o exercício da liberdade de expressão é total nas caixas de comentários abertas ao público, disponibilizadas no meu blogue, estando apenas vedadas, e a partir desta data, aos anónimos, pois como se trata de um blogue pessoal entendo que não faz sentido que não se saiba quem gosta ou não das minhas publicações.

2013.02.07